Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 22 - sábado, 31 de julho de 2021

A 218 km de M. Claros: "Os assaltantes (...) portavam arma de fogo e empregaram alto grau de violência, inclusive, com golpes e coronhadas desferidos contra uma das vítimas, funcionária da empresa alvo do crime"

Quinta 15/07/21 - 10h21

Divulgação da Polícia Civil de Minas:

Trio é preso pela PCMG por assalto a empresa em Salinas

Na tarde dessa quarta-feira (14/7), a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) em Salinas, no Norte do estado, cumpriu mandados de prisão temporária expedidos contra três suspeitos.

Eles são investigados por participação em crime de roubo, majorado pelo concurso de pessoas e emprego de arma de fogo.

Os três foram encaminhados ao sistema prisional, onde estão à disposição da Justiça.

O fato ocorreu há cerca de três meses, quando duas vítimas compareceram à Delegacia de Polícia em Salinas relatando terem sido roubadas e agredidas por dois homens.

Os assaltantes, segundo elas, portavam arma de fogo e empregaram alto grau de violência, inclusive, com golpes e coronhadas desferidos contra uma das vítimas, funcionária da empresa alvo do crime.

Ainda conforme relato, os suspeitos usavam capacetes durante a ação criminosa, o que impossibilitou a identificação dos agressores.

De acordo com o delegado José Eduardo é comum os investigados por roubo usarem desse artifício para dificultar a identificação, visando a impunidade pelos crimes cometidos.

Investigação

Por meio de investigações, a equipe de policiais civis em Salinas identificou os dois suspeitos citados pelas vítimas, bem como um terceiro indivíduo, funcionário da empresa, apontado como idealizador do crime.

Ele seria o responsável por informar aos outros dois que, no dia dos fatos, a empresa teria considerável valor em espécie e apenas um funcionário no estabelecimento.

"No dia e hora marcados, eles invadiram a empresa, renderam a funcionária e, mediante violência, grave ameaça e com emprego de arma de fogo, subtraíram dinheiro e bens”, conta o delegado.

A funcionária entregou o valor que estava disponível, entretanto, eles sabiam que havia uma quantia maior armazenada, por isso, passaram agredi-la e exigir que fosse entregue o restante do dinheiro. Após inúmeras agressões, a vítima entregou todo o valor disponível na empresa, além de joias pessoais.

José Eduardo finaliza ressaltando que o sucesso da investigação e do cumprimento dos mandados de prisão tem especial relevância, já que os dois suspeitos pelo assalto vinham cometendo inúmeros delitos na região e alterando a ordem social.

Compartilhe
Siga-nos nas redes sociais